Para refletir

julho 21, 2011

Opinião de Marie Rucki…

O desfile pode até ser a manifestação mais glamourosa da moda, sobretudo se for de alta-costura, mas a moda de verdade, a que é expressão do gosto, cultura e comportamento de um povo, está nas ruas, não na passarela ou nas butiques. É nisso que acredita a professora francesa Marie Rucki, diretora da escola de moda Studio Berçot, de Paris, que está no Brasil para uma série de palestras e workshops na Escola São Paulo. “Querem saber qual a grande tendência do momento: a simplicidade”, diz a professora.

O Studio Berçot é uma das mais renomadas escolas de moda do mundo desde os anos 70. Por lá, já passaram nomes como John Galliano, Martine Sitbon e Azzedine Alaïa. Sobre seu ex-aluno Galliano (demitido da Dior após divulgação de um vídeo em que dirige ofensas antissemitas a um casal), Marie só tem a lamentar. “Ele é um grande artista”, afirma. “Talvez fosse preciso separar o homem que falou besteiras do estilista genial que ele é. Galliano fez muito pela Maison Dior”.

Presença constante em território nacional, Marie ajudou na formação de estilistas como Gloria Coelho, Lorenzo Merlino, Reinaldo Lourenço e André Lima, ela costuma percorrer o comércio popular para encontrar a verdadeira manifestação da moda do país. E é a partir disso que afirma: “A moda brasileira é contemporânea e, nos últimos dez anos, evoluiu muito em termos de qualidade e design”, afirma. E o que falta para ela estourar no exterior? “Difícil dizer. O Brasil já é referência na moda praia, faz muito bem o vestuário esportivo e tem muita gente fazendo ótimas estamparias. O que vai acontecer depende de investimentos e do desejo dos consumidores, ou seja, não dá para prever.”

Quando está no Brasil, o que acontece pelo menos uma vez por ano, Marie costuma visitar a região da rua 25 de março e fazer compras em grandes redes de varejo, como a Marisa.

Suas amizades vêm sendo colecionadas desde a década de 80, quando Marie veio pela primeira vez ao país, a convite da Rhodia. “Naquela época, lembro que fiquei muito mal impressionada com a moda brasileira. Via muitas mulheres vestidas com calças marrons, de tecido sintético. A cor é ruim e a matéria-prima não tem nada a ver com um país tropical”, diz Marie. Com o tempo, a abertura do país para as importações e a maior circulação da informação, via internet, o cenário se modificou. “As pessoas viajaram mais e ficaram mais bem informadas”, diz Marie. “Hoje, a realidade é outra. Há um maior consumo de cores e dá para ver que a brasileira é muito vaidosa e se veste para seduzir.”

Apesar de reverenciar o maior acesso de seus alunos às informações sobre a moda global, Marie não dá importância a fenômenos contemporâneos, como os blogs e as redes sociais. “Não dá para levar a sério uma criança de 12 anos fazendo críticas de moda. Ela deveria estar no jardim da infância”, diz a professora, em relação à blogueira americana Tavi Gevinson, que foi assunto no mundo fashion no ano passado por estar na primeira fila dos desfiles mais badalados.

Marie, que raramente liga o computador, acredita que os blogs de moda são, em grande parte, o resultado de “uma vontade insuportável de se mostrar. Não há nada de interessante neles. Se eu quiser ver como as pessoas se vestem, eu vou pra rua”, diz Marie, que também abomina o Facebook. “Se eu tivesse 18 anos, tudo bem. Mas na minha idade seria ridículo.”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: